21 de fevereiro de 2019

Oficina gratuita sobre concepção de figurino teatral - Através da Iris


Ministrada pela figurinista Tatiana Brescia e a Modelista Emília Reily, a Oficina gratuita sobre concepção de figurino teatral - Através da Iris acontecerá nos dias 22, 23 e 24 de Fevereiro, das 13h às 17h, no Teatro Faap.

No conteúdo programático, além da apresentação dos profissionais, histórico sobre a peça e leitura do texto "Através da Íris" para modelagem de figurinos, também serão abordados os seguintes assuntos: Criação e concepção do figurino; Croquis e desenhos; Fotos e pesquisa de tecidos e materiais; Método para busca dos acessórios específicos; Exercício prático - busca de peças de roupas em fotografias online; Apresentação do Exercício; Perguntas e dúvidas sobre o universo de figurinos com ênfase teatral; Contato com a construção do figurino da peça; e; Palestra "Figurinos: A importância do trabalho em equipe para o bom resultado do espetáculo".

A oficina se dará na Rua Alagoas, 903 – SP. Maiores informações: producao@wbproducoes.com

20 de fevereiro de 2019

A Fabulosa Charanga dos Excêntricos

Foto: Divulgação

No dia 23 de fevereiro, às 18h, no Centro Cultural Arte em Construção se apresentará o espetáculo "A Fabulosa Charanga dos Excêntricos" com o Circo Teatro Palombar. 

"A Fabulosa Charanga dos Excêntricos" é uma banda composta por palhaços e palhaças bem excêntricos, responsáveis pela trilha musical e sonoplastia de um grande espetáculo. Os cômicos tocam trombone, trompete, saxofone, surdo e repiques e também instrumentos inusitados. E tem ainda a performance do sensacional homem-banda.

Centro Cultural Arte em Construção fica na Avenida dos Metalúrgicos, 2100 - Cidade Tiradentes - SP.

19 de fevereiro de 2019

Casa de Bonecas – Parte 2

Foto: João Caldas Filho

O premiado texto do espetáculo "Casa de Bonecas - Parte 2", com dramaturgia do jovem norte-americano Lucas Hnath e direção de Regina Galdino, é tão admirável quanto assertivo. O tema também ainda é atual, apesar das vestes do figurino nos levar a outros tempos longínquos. Marília Gabriela empresta sua elegância natural a sua personagem, Nora, segurando o protagonismo dela em toda sua atuação com precisa maestria. Também não podemos deixar de comentar a excelentes atuações de Luciano Chirolli, Eliana Guttman e Fabiana Gugli. Todas convencem! O cenário é simples, mas eficaz. As luzes dão o toque ora quente, ora frio da tensão existente na cena e nos diálogos. Os personagens vão desnudando suas fortalezas e mostrando com maestria suas fraquezas. 

Na narrativa, Nora Helmer é uma escritora de sucesso que retorna 15 anos depois ao lar porque precisa oficializar o divórcio com Torvald. Popular por defender causas feministas, ela está sendo chantageada para negar suas ideias, pois uma mulher casada não poderia ter uma vida independente. De volta ao núcleo familiar, Nora enfrentará a recriminação da criada, da filha mais nova e do marido por tê-los abandonado e por ter tido a ousadia de escolher o que fazer de sua vida.

O espetáculo está no Teatro Faap com apresentações todas as quartas e quintas-feiras, às 21h. Vale à pena assistir!

18 de fevereiro de 2019

Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro!

Foto: Carlos Goff

Dia 23 de fevereiro, às 16h, no Centro Cultural Arte em Construção se apresenta o espetáculo "Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro!" com o grupo O Buraco d’Oráculo. 

O espetáculo é uma intervenção teatral que utiliza a poesia como forma dramatúrgica. Baseando nos princípios da “cenopoesia”, em que imagens, gestos, canções e palavras se misturam para completar um todo. O Buraco d’Oráculo leva à cena um recorte de poemas por meio de cenas fragmentadas que transitam entre o cômico e o dramático com leveza poética, mas também de forma contundente, tocando em temas do nosso cotidiano e de nossa sociedade.

Centro Cultural Arte em Construção fica na Av. Dos Metalúrgicos 2100 - SP.

15 de fevereiro de 2019

Palavra de Stela

Foto: João Caldas

Estrelado pela veterana Cleide Queiroz, o solo "Palavra de Stela", com direção e dramaturgia de Elias Andreato, ganha uma nova temporada gratuita no Teatro Municipal da Mooca Arthur Azevedo, entre 22 de fevereiro e 24 de março, com sessões às sextas e aos sábados, às 21h, e aos domingos, às 19h. A peça estreou em 2017, ocasião em que a atriz completou seus 50 anos de carreira no teatro, na televisão e no cinema.
Nascida em 1941, Stela do Patrocínio foi internada no Centro Psiquiátrico Pedro II aos 21 anos, quando diagnosticada como psicopata e esquizofrênica. Quatro anos depois, foi transferida para a Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, onde permaneceu até sua morte em 1992. Durante seus anos de isolamento, Stela desenvolveu um discurso poético. Seu “falatório”, carregado de angústias, retrata a rotina manicomial e, sobretudo, revela sua visão da vida, do mundo e de si mesma.
No espetáculo a personagem narra sua trajetória, expõe seu cotidiano e revela seu olhar de perplexidade diante da vida e dos seres humanos. Andreato escreveu o texto especialmente para Cleide Queiroz. A atriz traz uma relação muito pessoal com a temática proposta, pois é uma mulher negra que durante sua adolescência conviveu com a internação de sua mãe esquizofrênica.
“Por meio da fala de Stela do Patrocínio, pretendemos levar o espectador a uma reflexão acerca da visão que temos sobre loucura e lucidez, bem como chamar sua atenção para como a sociedade enxerga a diferença e lida com o outro”, diz Elias Andreato.
A criação do espetáculo tomou por base o registro em áudio da obra de Stela do Patrocínio realizado na década de 1980 pelas artistas plásticas Neli Gutmacher e Carla Guagliardi, posteriormente, transcrito e organizado por Viviane Mosé no livro “Reino dos bichos e dos animais é o meu nome”. Este projeto foi contemplado pela 8ª Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro para a cidade de São Paulo - Secretaria Municipal de Cultura. O Teatro Municipal da Mooca Arthur Azevedo - Sala Multiuso - fica na Avenida Paes de Barros, 955 - SP.

14 de fevereiro de 2019

frequencia_ausente.doc


O Sesc Avenida Paulista recebe, de 21 de fevereiro a 16 de março, a instalação interativa “frequencia_ausente.doc”, dramaturgia site specific e documental que conduz o visitante em uma experiência imersiva pelos andares da Unidade e versa sobre o desaparecimento de um ator, ex integrante da ExCompanhia de Teatro, nas dependências do Sesc no dia da estreia do seu monólogo.
O visitante recebe o celular que pertenceu ao ator e acessa a exposição  por meio do dispositivo, que também contém registros da última hora antes do seu misterioso desaparecimento. O público acompanha os rastros deixados por ele em instalações imersivas distribuídas nos andares do prédio do Sesc. Após o monólogo ser cancelado, resultado do misterioso sumiço do ator, a ExCompanhia e o Sesc optaram então por realizar, nos meses de fevereiro e março, uma nova obra em sua homenagem.
Os artistas Bernardo Galegale, Gustavo Vaz e Gabriel Spinosa assinam a concepção e a dramaturgia da experiência. O roteiro tem duração de cerca de uma hora e é gratuito, com saídas individuais a cada 10 minutos das 14h às 17h e retirada prévia de senha no local.
As apresentações de "frequencia_ausente.doc" serão de quinta a Sábado, a partir da 14h. Sessões a cada 10 minutos até às 17h. Última sessão às 17h. Os ingressos são gratuitos com distribuição de senhas no local de início da atividade. O Sesc Avenida Paulista fica na Avenida Paulista, 119 - SP.

13 de fevereiro de 2019

Loucura

Foto: João Caldas

A Cia. Elevador de Teatro Panorâmico faz duas apresentações do monólogo "Loucura". A curtíssima temporada de 2 apresentações, nos dias 15 e 16 de fevereiro dar-se-á no Espaço Elevador. Elogiado por sua atuação visceral, o ator Gabriel Miziara surpreende, nesta peça de cunho intimista.

O Espetáculo será apresentado para angariar fundos para o Espaço Elevador, o teatro sede da Cia. Elevador de Teatro Panorâmico há treze anos, que está passando por sérias dificuldades financeiras e corre o risco de fechar suas portas. Entre as principais razões está a drástica diminuição - se não a extinção - de importantes mecanismos de incentivo público ao trabalho continuado de pesquisa e manutenção de grupos de teatro. Isso se reflete não somente na dificuldade de manutenção do Espaço - agravada pelos elevados custos de São Paulo - mas também na falta de outros projetos que possam ocupá-lo. Isso tudo somado ao aumento do aluguel e dos custos de manutenção.
Na sinopse: Um homem preso em uma caixa de luz. Um homem em exposição, sozinho. Ele é alimentado através de uma corda que desce do teto trazendo uma maçã. Seu alimento intelectual também é enviado por uma corda, que todos os dias derruba uma pilha de livros, e os leva embora. Esse homem fala incessantemente textos das mais diferentes obras da produção cultural humana. Preso numa cela de luz, ele foi colocado lá por alguém, ele está sobrando, ele é esquisito, esquizo, ele é louco. Espaço Elevador fica na Rua Treze de Maio, 222 – SP.

12 de fevereiro de 2019

Experimentando Clarice


Foto: Tati Wixler

As histórias de quatro livros infantis de Clarice Lispector (1920-1977) são narradas e interpretadas por Nino Belucci e Renata Augusto e ganham canções originais do músico Rafael Siqueira em "Experimentando Clarice". O projeto de narração de histórias é apresentado no Centro Cultural Santo Amaro, nos dias 13, 14, 21 e 22 de fevereiro, às 11h e às 15h, com entrada grátis.
A contação de histórias se insere em uma tradição oral rara e preciosa nos dias atuais, mas que resgata um antigo hábito em diversos países. Esse tipo de narrativa nos remete aos nossos avós e pais e às trocas afetivas.
Pouco explorada no universo de contação de histórias, Clarice Lispector aborda nos livros infantis A Vida Íntima de Laura, A Mulher Que Matou os Peixes, O Mistério do Coelho Pensante e Quase de Verdade, temas como perda, morte, zelo e família, de forma direta, singular e sensorial. A escritora cria um clima aconchegante e maternal entre ela e o leitor, deixando que os pequenos entrem em sua obra como se estivessem entrando na casa de uma pessoa muito próxima e querida.
As palavras, o tom adequado, a voz, a atitude corporal e o humor da companhia convidam o pequeno e o grande espectador a embarcar nos temas contados e cantados. Objetos como panelas, talheres e vasilhas são utilizados como instrumentos musicais; já poltronas, forninho elétrico e criado-mudo viram elementos cênicos. Toda casa potencialmente é um manancial de histórias, de brincadeiras e emoções, auxiliando a criança descobrir o potencial lúdico de um objeto comum do cotidiano. 

O Centro Cultural Santo Amaro - Teatro Leopoldo Fróes - fica na Avenida João Dias, 822, SP.

11 de fevereiro de 2019

Homens no Divã

Foto: Eliane Souza

Com texto leve e recheado de situações engraçadas do cotidiano a comédia "Homens no Divã", que Darson Ribeiro dirige, depois de três anos consecutivos em cartaz comemora o quarto ano de temporada. A reestreia acontece no dia 15 de fevereiro às 21h30 no Teatro Fernando Torres. Além de dirigir e assinar figurino, luz e cenografia, Darson também atua no espetáculo, ao lado de Olivetti Herrera e Guilherme Chelucci.

No enredo, o encontro inesperado de três homens na sala de espera do consultório de uma psicanalista (voz em off de Marília Gabriela) é o ponto de partida para mudanças radicais na vida de um bombeiro, de um ginecologista e de um gerente executivo da Eletropaulo. Para tratar suas dificuldades de relacionamento com as mulheres e do cotidiano masculino, Renatão, Cadu e Fred precisam de muita força de vontade. A instigante amizade, desenvolvida em conversas e acontecimentos que servem de complemento ao divã, vai gradativamente em um ano, impulsionando-os a se reinventarem. 

Darson Ribeiro concebeu uma direção ágil para brincar com assuntos bem-humorados, sem deixar de ir ao encontro de fetiches femininos. Assim, vai além da exploração dos estereótipos das personagens e apresenta uma comédia elegante e inteligente que sai do lugar-comum.

À beira do desespero em suas crises amorosas, os três protagonizam situações hilárias em busca do equilíbrio, diante de tantas idiossincrasias masculinas como amor e sexo ou sexo e amor. E, assim, conquistam de cara o público que vai acompanhando as revelações e transformações de personalidades e temperamentos distintos.

“Com o cuidado de não resvalar em falsos moralismos, a intenção é amenizar a fama de que os homens não gostam de falar sobre si. Assim, revela fraquezas e dúvidas do sexo masculino em um divã freudiano”, salienta Darson Ribeiro. A temporada começa vai até o dia 24 de março, todas às sextas, às 21h30 | sábados, às 21h00 | domingos, às 19h00. O Teatro Fernando Torres fica na Rua Padre Estevão Pernet, 588 - SP. 

8 de fevereiro de 2019

Aeroplanos

Foto: João Caldas Filho

O espetáculo "AEROPLANOS", escrito pelo premiado dramaturgo argentino Carlos Gorostiza e com direção de Ednaldo Freire, traz no elenco os veteranos Antonio Petrin e Roberto Arduin. A comédia fica em cartaz até o dia 10 de março, de sexta a domingo.

Enquanto relembram o passado e discutem questões urgentes do presente, Chico (Petrin) e Cristo (Arduin), velhos amigos com mais de 70 anos e ex-jogadores de futebol, são surpreendidos por um convite inesperado, que poderá transformar suas vidas.

Ao retratar um dia especial na vida desta dupla inseparável, a peça propõe ao espectador uma delicada e divertida reflexão sobre a amizade e o envelhecimento. “Com humor, sensibilidade e diálogos inteligentes, o espetáculo reflete sobre a existência, a partir do ponto de vista dos idosos. O medo da morte, a solidão, a perda de independência e a sempre irrefreável e humana vontade de viver intensamente cada minuto são temas essenciais desse grande texto da dramaturgia argentina contemporânea”, lembra Petrin, que também assina a tradução e adaptação da obra. 

"AEROPLANOS" é o terceiro espetáculo do projeto Velhos Protagonistas iniciado em 2000, quando Antonio Petrin completou trinta e cinco anos de carreira profissional. A peça escolhida para abrir o projeto foi A Última Gravação de Krapp, de Samuel Beckett. Em 2004, o ator produziu e interpretou Um Merlin, texto escrito especialmente para ele por Luis Alberto de Abreu. O espetáculo acontece todas às Sextas e sábados às 21h e domingos às 19h no Teatro Municipal de Santana Alfredo Mesquita. 

7 de fevereiro de 2019

Eu sei exatamente como você se sente

Foto: Ronaldo Gutierrez

Considerado um dos artistas mais prestigiados do teatro britânico a discutir a questão da homoafetividade, o dramaturgo, diretor e tradutor Neil Bartlett tem suas obras investigadas pelo Núcleo Experimental em "Eu sei exatamente como você se sente". O espetáculo ganha uma nova temporada no Teatro do Núcleo Experimental, entre 8 e 24 de fevereiro, com sessões às sextas-feiras e aos sábados, às 21h; e aos domingos, às 20h.

A montagem parte dos solos “Onde está o amor?”, “É pra isso que servem os amigos”, “O que você vai fazer?”, “Improvável” e “O meu amor é forte assim” para apresentar depoimentos do próprio Barlett sobre o que é ser homossexual na sociedade contemporânea. O medo da agressão e da homofobia, o desejo e a necessidade de uniões afetivas, o relacionamento com os pais e (eventualmente) os filhos, a coragem de lutar pelos direitos dos LGBTTs, o estigma do HIV são algumas das muitas das questões discutidas em cena.

“Essas obras, assim como muito do meu trabalho, estão particularmente preocupadas em transmitir ternura, dignidade, paixão e coragem. Ao enfatizar o simples ato de falar – falar em voz alta – elas nos fazem lembrar (eu espero) que essas qualidades ainda são – mesmo que a cultura vigente queira dizer o contrário – a base da nossa experiência comum nesta vida”, reflete o autor.

Numa encenação pautada pela simplicidade, os atores Fabio Redkowicz, Paulo Olyva, Pedro Silveira e Zé Henrique de Paula são acompanhados ao vivo pelo pianista Rafa Miranda e pelo violoncelista Felipe Parisi. O Teatro do Núcleo Experimental fica na Rua Barra Funda, 637 – SP.

6 de fevereiro de 2019

Casa de Bonecas – Parte 2

Foto: João Caldas Filho

O espetáculo "Casa de Bonecas – Parte 2", com dramaturgia do jovem norte-americano Lucas Hnath e direção de Regina Galdino, reestreia no dia 13 de fevereiro no Teatro Faap, onde cumpre temporada até 28 de março. A tradução é de Marcos Daud, e o elenco é formado por Marília Gabriela, Luciano Chirolli, Eliana Guttman e Fabiana Gugli.
Publicado em 1879, o clássico “Casa de Bonecas”, do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen (1828-1906) causou polêmica ao questionar as convenções sociais e o casamento como uma instituição. A peça até hoje é considerada feminista. Na trama, Nora Helmer falsifica uma assinatura do pai e faz, em segredo, um empréstimo para salvar Torvald, seu marido, mas, quando ele descobre a fraude por causa da chantagem de um agiota, repudia a esposa, humilhando-a e negando que ela continue educando os filhos. O agiota devolve a promissória, salvando os Helmer, mas Nora, desiludida com a covardia e hipocrisia de Torvald, ao ver a posição inferior da mulher na sociedade, revolta-se e abandona o marido e três filhos pequenos.
Já no texto de Lucas Hnath a emblemática personagem Nora, agora uma escritora de sucesso, retorna 15 anos depois ao lar porque precisa oficializar o divórcio com Torvald. Popular por defender causas feministas, ela está sendo chantageada para negar suas ideias, pois uma mulher casada não poderia ter uma vida independente.
De volta ao núcleo familiar, Nora enfrentará a recriminação da criada, da filha mais nova e do marido por tê-los abandonado e por ter tido a ousadia de escolher o que fazer de sua vida. Diante da cobrança sobre suas responsabilidades de esposa, ela argumenta que o casamento funciona como uma prisão para as mulheres e que o amor deveria ser livre. Mais uma vez ela terá que decidir entre ficar à mercê de mentiras, regras sociais equivocadas e da visão retrógrada de seus entes queridos ou assumir sua identidade e lutar por um mundo diferente.
“Casa de Bonecas – Parte 2”, inédito no Brasil, foi um grande sucesso na Broadway e Lucas Hnath foi indicado ao Prêmio Tony 2017 de Melhor Texto.
O Teatro Faap fica na Rua Alagoas, 903, Higienópolis - SP. A temporada tem as apresentações de seus espetáculos todas as quartas e quintas-feiras, às 21h.

5 de fevereiro de 2019

Sentidos Da Terra

Foto: Deolinda Nunes

O cantor, compositor, instrumentista e regente de canto coral Marcos Munrimbau, apresenta no dia 9 de fevereiro no Bistrô Esmeralda, seu novo show “Sentidos da Terra”.

Dono de uma extensão vocal e de uma tessitura diferenciadas, Marcos Munrimbau vem conquistando espaço com sua voz peculiar, seus arranjos e suas poesias, que ora se encontram no coração da brasilidade, ora se amplificam na diversidade, como poderá ser observado no espetáculo onde Marcos mostrará uma pequena parte do seu acervo autoral constituído de uma produção musical variada, onde mistura as melhores características da música popular brasileira com elementos do jazz, do pop e da música erudita.

Provocando uma reflexão Marcos afirma que “É preciso fazer uma pausa e perceber que o contexto atual é resultado de ciclos que se repetem e que, cada vez mais, estamos nos afastando das percepções de humanidade, não nos ouvimos, não nos olhamos nos olhos, e por aí vai.”, e  ainda acrescenta, de forma poética: “A Terra pulsa entristecida, e nossa atuação não pode manchar nosso solo, mas precisa lançar mão de generosidade e de sonhos renovados, numa busca constante por harmonia íntima”.
  
Marcos Munrimbau sobe ao palco acompanhado do violonista Rafa Nascimento, para uma apresentação em formato acústico, com violão base e solo, quando exibirá um repertório autoral com 12 canções, entre elas: a canção lúdica de reverência à liberdade de expressão nitidamente vista no voo e no canto alegre do pássaro, “Bem Te Vi”; “Coração Febril”; “Afinal, como você me vê?”, uma crítica ao olhar distorcido de uma sociedade que não reconhece o imenso potencial que brota dos pensamentos e dos corações das gerações que sofrem segregações; “Simples” e não poderia faltar “Antigamente”, música sobre um dos valorosos poemas de Oswaldo de Camargo, seu amado pai, um ícone da literatura, amigo, grande escritor e poeta. Luz inspiradora da sua carreira.

Bistrô Esmeralda fica na Rua Esmeralda, 29 – Aclimação – São Paulo - SP.

4 de fevereiro de 2019

Mostra São Paulo de Cultura Indígena

Foto: Matheus Ferracioli

Dia 9 de fevereiro, às 19hs, acontece a abertura da Mostra São Paulo de Cultura Indígena - Guaranis e Kaingangs na Refinaria Teatral, na Zona Norte de São Paulo. Três comunidades indígenas de São Paulo irão realizar palestras, exposições e oficinas gratuitas. As exposições apresentarão fotos, vestuários, adereços, artefatos e artesanias de cada etnia. A mostra acontece todos os sábados até 2 de março e é gratuita. 

Participam duas comunidades da etnia Guarani Mbya: uma de Parelheiros, da aldeia Tekoa Kaliperty, liderado por Jera Poty Mirim e outra do Jaraguá, da aldeia Tekoa Yvy Porã, liderado por Thiago Henrique Vilar Martim. A etnia Kaingang é da aldeia Vanuire, do oeste paulista, liderado por Dirce Jorge. 

A iniciativa é do grupo Refinaria Teatral com o objetivo de criar mais um canal de fortalecimento de difusão da rica cultura indígena dentro do universo da cultura dos não índios. “Queremos dar voz para as comunidades indígenas”, comenta Daniel Alves Brasil, diretor da Refinaria Teatral. Essa ação faz parte do projeto do coletivo denominado "Teatro, uma pátria habitável". A mostra é também para o grupo Refinaria Teatral uma possibilidade contínua de vivência e intercâmbio com a cultura e tradições indígenas, aprofundando as investigações do coletivo sobre o corpo cênico do nativo brasileiro e sua maneira de fazer teatro, processo que o grupo teatral chama de "Encontro com o teatro de Pyndorama." O evento conta com a participação da ONG Opção Brasil, ONG que atua com as questões indígenas em grandes centros urbanos.

1 de fevereiro de 2019

Avesso - O Musical

Foto: Ricardo Manga

O texto de Daniel Torrieri Baldi e Maria Elisa Berredo com colaboração de Gustavo Amaral do espetáculo “Avesso - O Musical” é forte. Permeia por vários conflitos, dilemas e embates de um assunto muito atual e polêmico. Nota-se também um viés instigante do poder feminino no controle (ou não) de determinada situação: uma mulher radical e persuasiva como líder da ação. O enredo expõe os conflitos entre as gerações a partir das reivindicações de um grupo de universitários, que sequestram um professor em busca de diálogo com o novo reitor da instituição. O cenário é bem underground, mostrando o submundo da fachada de uma, talvez, conceituada universidade. Refletindo, quem sabe, o descontrole e o caos das discussões e embates que colocam em cheque os princípios dos estudantes e professor.

“Avesso – O Musical” é completo: tem uma trilha sonora original jovem e contemporânea em que se destaca ritmos como o rap e o rock. A direção de Hudson Glauber é dinâmica e tem movimento. O espetáculo em si é ousado e vale à pena dar uma passadinha para assistir. O espetáculo está no Teatro Nair Bello todas as sextas e sábados (às 21h) e domingos (às 19h) até o dia 24 de fevereiro.