26 de julho de 2017

Além da imagem

Foto: Lenise Pinheiro

A peça "Além da Imagem" aproxima Marilyn Monroe e Tchekhov no auditório do Sesc Ipiranga. A atriz Marília Moreira apresenta monólogo que contrapõe a figura sexy de Marilyn com a personalidade igualmente ingênua e sonhadora. O espetáculo estreia dia 28 de julho no auditório do Sesc Ipiranga. "Hoje eu sei que na minha profissão, o que importa não é a imagem, a fama, a glória com que eu tanto sonhei, mas a possibilidade de investigar a essência humana e quem sabe, quem sabe, ajudar as pessoas a viverem melhor. Os homens estão indo à lua, mas ninguém parece interessado no coração humano pulsante", cita Marilyn em trecho do monólogo. Em oposição à imagem de loura exuberante e símbolo sexual, havia na figura de Marilyn Monroe uma aura de menina vulnerável e inocente que nunca conseguiu equalizar suas angustias pessoais. O Sesc Ipiranga fica na Rua Bom Pastor, 822, em São Paulo. A temporada vai de 28/07/2017 até 20/08/2017, sexta-feira 21h30, sábado 19h30 e domingo 18h30.

25 de julho de 2017

A plenos pulmões

Foto: João Caldas Filho

Dia 28 de julho estreia o espetáculo "A Plenos Pulmões" que traz a poesia e a prosa de Maiakóvski, o poeta da Revolução. Luciano Chirolli e Georgette Fadel integram o elenco do espetáculo. O projeto oferece um ciclo de 4 palestras sobre o período histórico que compreende a Revolução Russa e o Teatro que se criou naquele momento. As palestras serão acompanhadas por ensaios abertos do espetáculo. O nome do espetáculo vem do poema homônimo de Maiakóvski – seu ultimo poema onde ele se dirige à posteridade afirmando o poder de seus versos. “A Plenos Pulmões” acontece no Centro Cultural Banco do Brasil que fica na Rua Alvares Penteado, 112 – Centro - SP. A temporada acontecerá até o dia 18 de setembro, às sextas, sábados e segundas às 20h e domingos às 19h. Nos dias 4, 18 e 25 de agosto e 8 de setembro , as apresentações serão acompanhadas por Tradução para Língua Brasileira de Sinais (Libras).

24 de julho de 2017

Verdadeiros dorminhocos


Além de dormirem 2/3 do dia, um gato faz cerca de 100 sons diferentes. Ou seja, em 9 anos de vida, os gatos ficam acordados 3 anos e, se comparados aos cães, eles tem 10 vezes mais sons do que os cachorros, que fazem cerca de 10. 

De acordo com uma lenda hebraica, Noé rezou a Deus para que Ele o ajudasse a proteger a comida dos ratos na arca. Deus fez um Leão espirrar, e desse espirro nasceu o gato. Bem interessante e imaginativo tal lenda, diria! Mas as curiosidades desses quadrúpedes não param por aí, o cérebro de um gato é biologicamente mais similar ao de um humano do que o cérebro de um cão. É comprovado que humanos e gatos têm uma região idêntica no cérebro responsável pelas emoções. Mais um motivo para não só respeitá-los e admirá-los, mas amá-los com todas as nossas forças e em nossa plenitude. Atualmente existem mais de 500 milhões de gatos domésticos no mundo, e aproximadamente 40 raças reconhecidas. E, dizem, que o gato doméstico mais antigo foi encontrado numa sepultura no Chipre com mais de 9000 anos.


Mas, se no passado eram tão adorados, porque insistimos em deixar tantas dessas bolas de pelos na rua? E, se cada um fizesse uma pequena contribuição? Doe para esta causa e convide seus amigos. Entre no link da campanha “Gatil Você Feliz” e contribua: https://www.kickante.com.br/campanhas/gatil-voce-feliz. Espalhe amor e esperança pelo mundo!

Eram os deuses astronautas?


O autor numa pesquisa sólida e séria nos convida a questionar vidas fora da terra, e, mais que isso de que o contato entre os E.T.s (ou astronautas) e humanos já aconteceu, desde o nosso passado longínquo. Não fica em teorias conspiratórias ou versões da nossa cinematografia, Danken comprova tudo o que diz cientificamente: com fatos, números e objetos. Um primor de detalhes e informações. A leitura é fácil, clara e tem ritmo. Não conseguimos parar de ler e não  vemos a hora de concluir envolvente leitura. Um livro atraente e de leitura clara. No conteúdo ele defende a existência de outros seres inteligentes no universo e propõe que extraterrestres tenham trazido grandes conhecimentos à Terra. A evidência disso estaria nos achados arqueológicos, monumentos antigos, mapas e outras marcas. Intrigante!


21 de julho de 2017

Bartók in Rock

Foto: Leandro Almeida

A banda paulistana "Dialeto", que lança seu quarto álbum "Bartók in Rock", apresenta-se no Sesc Belenzinho com participação especial de David Cross, lendário violinista da King Crimson. Os shows acontecem nos dias 21 e 22 de julho, às 21h, no Teatro da unidade. O repertório do show traz, além das músicas do novo disco, alguns sucessos dos anos 70, da King Crimson, clássico grupo inglês que nunca se apresentou no Brasil. No álbum, a Dialeto interpreta temas do compositor erudito Béla Bartók, adaptadas para a formação de rock, com participação especial do violino de David Cross. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000, em São Paulo (SP).

O poeta pop voltou como dublê


Em 1990, Marcelo Brito Girard não imaginava chegar tão longe  quando publicou seu primeiro livro de poesias: "O dente cariado de Cristo." O poeta causou grande polêmica na região da Zona Oeste do Rio, sendo manchete nos principais jornais com o título de "mais um escritor maldito." O poeta foi carimbado pelo público de pop ao realizar performances curiosas e excêntricas como sair de um caixão no "Festival nacional de poesia" no Circo Voador lendo "Não vou ao meu enterro", seu poema mais conhecido. Após 9 anos lançou "Raivódio - Poesia Mix" e fecha a trilogia em 2005 com "O perfume do átomo". O poeta pop continua chamando a atenção dos jovens leitores em escolas, eventos culturais por onde passa com o sarau poesia mix, com suas performances teatrais e sua voz de locutor. Seu próximo livro "Dublê de figurante" promete. Aguardemos, então, as novidades deste lançamento!

20 de julho de 2017

O Ovo da Serpente

Foto: Ricardo Peres

Com direção de André Grecco, o espetáculo "O Ovo da Serpente", de Rudson Mazzorana, estreia no dia 5 de agosto no Viga Espaço Cênico, às 21 horas. A trama – que apresenta três personagens insólitos: Lascívia (Glória Rabelo), Jack (Zaqueu Machado) e Mike (vivido pelo próprio autor) - fala de um assassino neonazista que convida um jovem psicopata para testar o caráter de sua esposa, uma ex-prostituta judia. No entanto, algo foge do controle. Lascívia e Jack moram em uma espécie de casa-laboratório e, assombrados pelo passado, vivem uma relação que oscila entre poder e submissão, sanidade e loucura. Ela, convertida ao catolicismo, é uma prisioneira de portas abertas que guarda em uma caixa vermelha segredos e confissões. Jack, por sua vez, é médico, um assassino de aluguel integrante de uma facção neonazista empenhada na higienização de raças, utilizando os seres “inferiores” como cobaias em experimentos médicos. Jack se sente inseguro por estar envelhecendo e perdendo a força física. Com o intuito de colocar à prova o caráter e a cumplicidade de sua mulher, ele introduz o jovem Mike em suas vidas. Invasivo, ácido, perverso e astuto como uma raposa, Mike não se limita apenas a infernizar a vida de Lascívia e testar seus limites: invade ferozmente a intimidade do casal, mexendo com os brios do assassino de aluguel. O que era para ser um simples teste torna-se um pesadelo. Utilizando a mesma premissa nazista, abraçada por Jack e abominada por Lascívia, o misterioso e psicopata Mike resolve seguir adiante com seu plano de vingança. Atormentado, o rapaz usa de toda a perversidade para se vingar do casal, prendendo-os em um sádico jogo psicológico. A Viga Espaço Cênico (Sala Viga) fica na Rua Capote Valente, 1323 – Pinheiros/ SP.

19 de julho de 2017

Fábio Magalhães


A Caixa Cultural São Paulo inaugura, no dia 29 de julho, às 11 horas, a exposição "Além do Visível, Aquém do Intangível", que reúne a produção artística mais significativa do baiano Fábio Magalhães, desenvolvida entre 2007 e 2017. A mostra, que tem curadoria de Alejandra Muñoz. O evento de abertura conta ainda com lançamento de um livro que reúne obras do artista, produzidas ao longo de 10 anos, e uma visita guiada pelo próprio Magalhães, seguida pela mesa redonda "As Matrizes Tradicionais da Arte e a Pintura Contemporânea" com participação da curadora e do crítico de arte Jorge Coli. "Além do Visível, Aquém do Intangível" apresenta 25 trabalhos de óleo sobre tela em grandes formatos,distribuídos em cinco séries: O Grande Corpo, Retratos Íntimos, Superfícies do Intangível, Latências Atrozes e Limites do Introspecto. As obras de Fábio Magalhães surgem de metáforas criadas a partir de pulsões, das condições psíquicas e substratos de um imaginário pessoal, até chegar a um estado de imagem/corpo. Os resultados são obtidos por meio de artifícios que nascem de um modus operandi que parte de um ato fotográfico e materializa-se em pintura. O artista apresenta encenações meticulosamente planejadas, capazes de borrar os limites da percepção, configuradas em distorções da realidade e contornos perturbadores. A Caixa Cultural São Paulo fica na Praça da Sé, 111 – Centro - São Paulo.

18 de julho de 2017

Aniversário das Coisas Não Feitas

Foto: Caio Oviedo

"Aniversário das Coisas Não Feitas" estreia 19 de julho e faz temporada no Centro Compartilhado de Criação, Oficina Oswald de Andrade e Armazém XIX. Luiza é a personagem que conduz a obra, trazendo consigo as marcas de um abraço não dado.  A partir deste "não feito emocional", o espetáculo expõe frustrações e desistências como atos a serem comemorados. Em cena as atrizes Daniela Schitini e Elaine Belmonte, a acordeonista Camila Borges e a chefe de cozinha Simone Borsolari dividem o palco criando um ambiente permeado por cheiros, memórias e sensações. A comida preparada e servida durante o espetáculo torna-se também dramaturgia e é um dos elementos explorados pela diretora-coreógrafa Vann Porath que busca em seus processos composicionais a integração entre diferentes linguagens. Na sequência, o espetáculo se apresenta na Oficina Cultural Oswald de Andrade e Armazém XIX. Na trama, eram só alguns passos, bastava andar um pouquinho. Luiza não andou. Em seus joelhos dois hematomas e mais uma história se perdia. Ela não foi até a varanda, não falou com ele, nem se despediu. O que você não fez mas ainda pode fazer? O que você teve a sorte de não fazer?  E se hoje fosse um dia para comemorar tudo aquilo que você não fez? O espetáculo "Aniversário das Coisas Não Feitas" é nas palavras da atriz Isabel Teixeira "uma comemoração em fragmentos" que mescla memórias pessoais, histórias inventadas e cenas escritas pelo desenho dos corpos no espaço. O Centro Compartilhado de Criação fica na Rua Brigadeiro Galvão, 1010 - Barra Funda - São Paulo - e o espetáculo vai até o dia 02/08 - Quartas às 21h.


17 de julho de 2017

Somos todos irmãos



As reflexões autobiográficas de Mahatma Gandhi estão no livro "Somos todos irmãos". Vários séculos podem transcorrer até que apareça um grande mestre. Neste livro há uma seleção de seus discursos e escritos, compiladas com grande cuidado e discernimento por Sri Krishna Kripalani, dando ideia dos pensamentos e convicções de Gandhi. Um ser iluminado que passou a vida buscando incessantemente a verdade, nos faz refletir sobre cada assunto a medida que avançamos na leitura. Uma leitura fácil, com dizeres eficazes onde o que ele mais prega é o amor e a não-violência. Para quem está numa trajetória de descoberta interior, mais que indico.

14 de julho de 2017

Dexter em “Flor de Lótus"

Foto: Fabio Terral

Ex-integrante do grupo 509-E, o rapper Dexter retorna a São Paulo para única apresentação da turnê de lançamento de “Flor de Lótus”, disco que lançou em 2016 repleto de participações especiais de nomes como Ed Motta e Péricles, onde contou, através das canções parte de sua história de vida. No show que chega ao Teatro Itália no dia 18 de julho, às 21h, o rapper expande as histórias e aborda temas como o período que passou “exilado” – em sua própria definição – no regime prisional. Entre uma canção e uma história, Dexter propõe a discussão acerca do regime carcereiro no Brasil. O show, que já virou DVD, gravado ao vivo no Auditório do Ibirapuera, é também uma comemoração a seus 27 anos de carreira. O show que realiza no projeto “Terças Musicadas” faz parte das comemorações. O Teatro Itália fica na Av. Ipiranga, 344 – República - São Paulo.

13 de julho de 2017

Primeiramente


No dia 15 de julho, às 16h na Sensorial Cerveja, Café & Discos será lançado o livro "Primeiramente". A obra reúne 17 contos, de 17 autores, todos ambientados em uma manifestação contra o governo Temer na Avenida Paulista.  Os autores, de diferentes estilos, criaram uma galeria de personagens igualmente heterogênea. Tem catador de latinha, black block, garoto de programa, seres extraordinários, idoso com Alzheimer, militar na ativa e aposentado, gente que foi à manifestação por românticas razões pessoais, desavisados que se viram, sem querer, em meio à confusão, e ainda quem fez sua estreia em manifestações, além de personagens como uma mosca, um museu e um deus. A obra foi organizada pelas também autoras Sonia Nabarrete e Vanessa Farias. O Sensorial Cerveja, Café & Discos fica na Rua Augusta, 2389 - São Paulo - SP.


12 de julho de 2017

Clube de Leitura

Foto: Mario Miranda Filho

A quinta edição do Clube de Leitura do Sesc Belenzinho tem o próximo encontro com o escritor Marcelino Freire, no dia 13 de julho das 20h às 21h30. O livro que será abordado, na ocasião, é "Desde que o Samba é Samba", do carioca Paulo Lins. O autor nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1958 e é graduado em Letras pela UFRJ. Morador da Cidade de Deus começou como poeta, integrante da Cooperativa de Poetas, por onde publicou seu primeiro livro, em 1986, "Sobre o Sol". Mas foi em 1997, com "Cidade de Deus", que veio a fama, ainda mais após a adaptação cinematográfica pelo diretor Fernando Meirelles, com quatro indicações ao Oscar. Já em 2012, lançou "Desde que o Samba é Samba" que recria ficcionalmente a invenção do samba por músicos do bairro carioca Estácio, na década de 1920. Já Marcelino Freire é natural de Sertânia, PE. Viveu no Recife e, desde 1991, reside em São Paulo. É autor, entre outros, dos livros "Angu de Sangue" e "Contos Negreiros". O Clube de Leitura é uma série de encontros mensais em que os leitores se reúnem para conversar sobre livros sugeridos pelos participantes, em parceria com o Sesc. No decorrer do ano, os convidados selecionam os livros que são temas das conversas. A entrada é franca e o evento acontece na Biblioteca da unidade.


11 de julho de 2017

A cabala do dinheiro

Foto: Heloisa Bortz

Estreia hoje no estreia no Teatro Eva Herz o espetáculo "A cabala do dinheiro". Trata-se de uma livre adaptação do livro homônimo de Nilton Bonder. Centrada nessa obra, a dramaturgia também traz inspirações dos outros dois títulos de Bonder que compõem a trilogia da Cabala (A Cabala da Inveja e A Cabala da Comida), escrita a partir da seguinte máxima judaica: “Uma pessoa se faz conhecida através de seu copo, bolso e ódio.” Na narrativa, num mundo onde os preços parecem se sobrepor aos valores, o dinheiro perde seu significado. Em meio a esse complexo tema, um casal de atores-narradores propõe um negócio entre si e com o público. Adentrar neste rico pomar que são as transações entre os valores humanos, em busca da compreensão do que está por detrás dos mistérios que envolvem o mercado e o dinheiro em nossas vidas. O mais longo dos caminhos é o que leva do coração ao bolso. A peça é uma discussão ética sobre a mágica das trocas humanas. Se, por um lado o dinheiro é elemento que promove relações perversas e idólatras, não só quando adorado mas também quando desprezado, por outro, é elemento de expansão de mercados e permite uma grande sofisticação nos vínculos da malha da vida. O Teatro Eva Herz fica na Av Paulista, 2073 – Conjunto Nacional e as apresentações acontecem às terças e quartas-feiras, às 21h.

10 de julho de 2017

Deixando para trás


Oi pessoal, gostaria de convidar a todos para ir no próximo dia 16 de julho de 2017 ao lançamento do meu livro infantojuvenil “Deixando para trás - Uma história de esperança e futuro para uma criança refugiada” na Livraria Martins Fontes Paulista a partir das 16h. O livro será lançado pela Franco Editoratem minha autoria e ilustrações de Vanessa Alexandre. A livraria fica na Av. Paulista, 509 – Bela Vista – São Paulo – SP. Para aqueles que não sabem, a história do livro pedia urgência em sua produção, pois tratava-se de um tema bem atual. Se eu corresse atrás de alguma editora, provavelmente não teria a obra publicada em tempo hábil, quiçá, se conseguisse publicá-la. Assim, tive a ideia de montar uma campanha de crowdfunding para angariar dinheiro para produzir o livro. Me dediquei arduamente por três meses para conseguir a quantia para pagar aos profissionais envolvidos e produzi-lo. Apesar de todo o meu esforço não consegui arrecadar o valor para produzir o livro. Mas logo veio a boa notícia: o livro “Deixando para trás” foi acolhido pela Franco Editora e em tempo recorde seria lançado no mercado. A Franco Editora não só entendeu a urgência da obra, mas sua importância. Na trama, abordo o tema de xenofobia e o problema do assentamento de refugiados. Kiara e seus colegas terão que fazer uma apresentação para a professora sobre o tema. A turma vai receber um colega refugiado da Síria. E o que é refugiado? Zayn entra na sala com o olhar perdido e ombros caídos, peso da vivência de uma tragédia humanitária em plena infância. Nessa trajetória de inúmeras descobertas, o que os dois não consideram é que se tornarão melhores amigos. E, mais do que isso, descobrirão na prática o que é essa tal de xenofobia. O livro “Deixando para trás” trata-se de uma história de esperança e futuro para uma criança refugiada no Brasil que fala de amor ao próximo e acolhimento. Espero ver vocês lá!

7 de julho de 2017

Livro de Ouro

Foto: Daniel Spalato

Com texto de Geraldo Rodrigues e Luciana Esposito e direção de Geraldo Rodrigues, o espetáculo infantil "Livro de Ouro" traz no elenco os atores Erica Ribeiro, Daniel Costa, Luciana Esposito e Gutto Szuster. "Livro de Ouro" reestreia dia 8 de julho no Teatro Arthur Azevedo. O espetáculo é a fonte de toda inspiração, criatividade e imaginação de uma peculiar e apaixonante cidade chamada Livrópolis. Devido a um breve descuido, o Livro desaparece e todas as suspeitas recaem sobre a doce e divertida protagonista, Sofia (Erica Ribeiro). Acompanhada de seu atrapalhado amigo de quatro patas, Millôr (Daniel Costa), nossa heroína decide fugir da cidade e se livrar, de uma vez por todas, do problemão em que se meteu. É nesse impulso fugitivo que Sofia e Millôr viverão a maior aventura de suas vidas, contando com a ajuda de personagens mágicos e misteriosos que lhes ensinarão lições valiosas que mudarão suas vidas para sempre. O espetáculo acontece aos sábados e domingos às 16h no Teatro Arthur Azevedo – Av. Paes de Barros, 955 - Mooca, São Paulo.

6 de julho de 2017

On Love

Foto: Henrique Resende

"On Love" traz um olhar não convencional sobre o amor. O tratamento dado ao tema, nesta obra, foge do que poderia ser tachado como demasiado comum e esgotado e aponta um movimento contrário, de inquietação e provocação para um olhar mais sensível e humano face à frenética contemporaneidade. A estreia acontece no dia 7 de julho no Teatro Cacilda Becker. O espetáculo, construído por narrativas em primeira pessoa, propõe uma forma muito simples e se apoia na relação próxima e direta entre o espectador e a matéria narrada, provocando uma escuta silenciosa, porém participativa, sobre aspectos íntimos e moventes das relações. Seguindo essa atmosfera íntima, o diretor Francisco Medeiros optou por deixar a plateia no palco, portanto mais próxima dos atores. Motivados pelo processo de trabalho de Mick Gordon, que construiu esta obra em sala de ensaio, a Cia Barracão Cultural se lançou em uma proposta de co-autoria, na qual os atores trouxeram depoimentos próprios ou de outras pessoas para a sala de ensaio. Parte deste material integra o texto final, que se configurou como uma mistura de narrativas oriundas do texto original de Mick Gordon com as narrativas Brasileiras. A temporada acontecerá de 07 a 30 de julho - Sexta e sábado às 21h e domingo 19h no Teatro Cacilda Becker - R. Tito, 295 - Lapa, São Paulo - SP.

5 de julho de 2017

Bug Chaser – Coração Purpurinado

Foto: Alice Jardim

O espetáculo "Bug Chaser – Coração Purpurinado" estreia amanhã na Oficina Cultural Oswald de Andrade. A peça gira em torno de Mark (interpretado por Ricardo Corrêa – que também assina a dramaturgia). Mark está em uma quarentena sendo analisado por uma voz, um programa de inteligência artificial. Em fragmentos e saltos atemporais, a peça conta a saga desse homem, um advogado criminalista que busca se infectar propositalmente, uma subcultura pouco discutida na comunidade LGBT contemporânea. A direção é de Davi Reis. “Falar de bareback, de um homem a procura de um vírus e de toda uma sociedade deteriorada, é trabalhar num universo particular que não deve ser entendido cartesianamente e requer cuidado para não reforçar preconceitos. O nosso desafio foi se debruçar sobre esse texto que trata de escolhas radicais e no trabalho do ator criador que lida com um personagem de extremos. Aqui, a luta contra a biopolítica impositiva e em estar fora da caixa social em que estamos automaticamente submetidos é levada ao limite. A partir da verticalização profunda no universo LGBT - abrangendo desde a sua subcultura até o mais violento preconceito sofrido - e a busca por ressignificações de lugar no mundo, pretendemos trazer questionamentos para além da simples reflexão e julgamento”, diz o diretor Davi Reis. A Oficina Cultural Oswald de Andrade fica na Rua Três Rios, 363-Bom Retiro. A temporada vai até o dia 5 de agosto, quintas e sextas às 20h, e, sábados às 18h.

4 de julho de 2017

Carne de Mulher

Foto: Lenise Pinheiro

A estreia do espetáculo "Carne de Mulher" será no dia 5 de julho no Teatro de Arena. Em "Carne de Mulher", a peça dos italianos Dario Fo(Prêmio Nobel) e Franca Rame aparece como parte de um manifesto artístico feminista de uma performer, interpretada por Paula Cohen. Chegando ao teatro, o público encontra um pote com diversos papeis onde estão escritos nomes de mulheres vítimas de feminicídio ou que foram apagadas pela história de todas as épocas, e esses nomes vão parar na pele da performer, na carne viva, para dar vida a história de todas elas, por que a memoria não desaparece. A peça escrita por Dario Fo e Franca Rame em 1977 traz a história de uma prostituta que está presa no manicômio judiciário por ter ateado fogo no escritório de um industrial. A personagem conta sua trajetória de vida, revelando uma sequencia de abusos, onde o transbordar torna-se inevitável, fazendo com que encontre forças para reagir diante de seus opressores. “É uma poderosíssima artista, inteligente, comprometida com o que faz e com um pensamento crítico maravilhoso. Tínhamos um desejo mútuo de trabalhar juntas um dia e ela foi a primeira pessoa que me veio à cabeça”, conclui a atriz, que também convidou Marisa Bentivegna para assinar a iluminação e o cenário, Claudia Assef para assinar a trilha, Lenise Pinheiro para fazer as fotos e também as produtoras Victoria Martinez e Jessica Rodrigues para completar a ficha técnica de criação composta apenas por mulheres. O Teatro de Arena fica na Rua Dr. Teodoro Baima, 98 - São Paulo.

3 de julho de 2017

A memória de uma amizade eterna


Eleito um dos 10 melhores livros de 2010 pela revista Time, pelos jornais The New York Times e USA Today o livro "A memória de uma amizade eterna" traduz com simplicidade e relevância o relacionamento de duas amigas. Traz muitos obstáculos, pensamentos verossímeis, mas por vezes repetitivos em seus próprios dilemas. Normal! A leitura flui fácil e, no final, encanta com autenticidade. A história é de Gail e Caroline, duas amigas inseparáveis que só se desligaram fisicamente com a morte de uma delas. Íntimas, com um passado coincidentemente perturbador: ambas foram alcoólatras. As amigas tinham em comum a literatura: Caroline Knapp era escritora e colunista do The Boston Phoenix e Gail Caldwell, vencedora do Prêmio Pulitzer e crítica literária do The Boston Globe. E, também partilhavam o amor por suas cadelas, Lucille e Clementine respectivamente. Logo no primeiro encontro, começaram a trocar confidências e o afeto que sentiam ficou ainda mais sólido quando conversaram sobre seus trabalhos. Lentamente, as amigas foram construindo uma troca afetiva substancial, mesmo que às vezes silenciosa. Depois da morte da Caroline, Gail chegou à conclusão de que não teria outra amiga igual à ela. Ela confessa que demorou anos para compreender que a morte não quer dizer o ponto final de uma história. E acha que qualquer um de nós entra e sai da vida do outro não por causa da separação que a morte impõe, mas por causa da distância que se estabelece entre as duas pessoas.

30 de junho de 2017

A voz que resta

Foto: Phillipe Machado

Hoje estreia o espetáculo "A voz que resta" no Sesc Ipiranga. Quarenta minutos antes de abandonar para sempre o apartamento que lhe serviu de garçonnière durante anos na boca-dolixo de São Paulo, Paulo (personagem de Gustavo Machado), copidesque e escritor frustrado, decide deixar uma última e trágica mensagem ao grande amor da sua vida, Marina, sua vizinha, que mora alguns andares abaixo. Escrito e dirigido pelo russo Vadim Nikitin, o espetáculo inicia sua temporada hoje. Uma das inspirações de Vadim foram os monólogos “A voz humana” (La Voix humaine, 1930), do francês Jean Cocteau, e “A última gravação de Krapp” (Krapp’s last tape, 1958), do irlandês Samuel Beckett. Desses textos vieram provocações sobre a dor causada pelo término de um caso amoroso (Cocteau) e 'o fim de uma vida que podia ter sido e que não foi’, verso bem beckettiano, que na verdade é um clássico de Manuel Bandeira. A trama é costurada pela solidão do personagem Paulo que depois de esvaziar a sangue-frio o apartamento, agora, com o dia raiando, uma garrafa de conhaque na mão e em petição de miséria, Paulo volta ao apartamento pela última vez para registrar sua partida. Em cena, Paulo tenta tecer apaixonadamente seu luto amoroso. A vizinha de cima, uma senhora professora de piano, compõe uma trilha incidental feita de acordes soltos e exercícios melódicos. Eis, portanto, A voz que resta , uma obsoleta fita cassete em que Paulo, escrivão-escravo, cansado de escrever, faz questão de declarar com a voz à Marina o indeclarável, misto de paixão impossível, insuportável e ainda assim incondicional. Misturando poesia e erotismo, o texto revela nua e cruamente as intimidades de um casal de amantes cuja paixão os levou à beira de um abismo ao mesmo tempo ridículo e sublime. O espetáculo acontece sexta, às 21h30; sábado, às 19h30 e domingo, às 18h30 no Auditório do Sesc Ipiranga, que fica na Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga.

29 de junho de 2017

NoPorn

Foto: Marcelo Elídio

NoPorn, duo formado pelo DJ Luca Lauri e pela artista plástica Liana Padilha, apresenta-se no dia 30 de junho, às 21h, no Teatro do Sesc Belenzinho, com participação especial do maranhense Negro Leo. O show marca o relançamento (ou lançamento digital) do primeiro álbum da banda (homônimo), gravado em 2006, que só agora, a partir de 23 de junho, estará disponível nas plataformas de streaming. O estilo da dupla é música eletrônica refinada, surgida como uma versão brasileira ao electroclash dos anos 2000, o que mistura estética clubber com o dance, o pop e o indie. Na época do lançamento do disco NoPorn, os hits “Sônia”, “Baile de Peruas” e “Xingu” marcaram o momento de transição da cultura de noite de São Paulo. E, desde então, o duo se manteve longe dos holofotes, até outubro de 2016, quando lançaram "Boca". Este segundo álbum reacendeu a curiosidade em ouvir o primeiro trabalho de Liana e Luca. O repertório de show no Sesc Belenzinho inclui composições dos dois discos. A participação de Negro Leo ocorre no momento da execução das músicas “Sônia” (CD NoPorn) e “Boca” (CD Boca). Para os desavisados, Negro Leo é cantor, compositor e instrumentista maranhense, radicado no Rio de janeiro, que lançou ano passado seu sexto disco, "Água Batizada". O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP). 

28 de junho de 2017

Kernunna


O Sesc Belenzinho apresenta a banda mineira Kernunna, um dos pioneiros do folk metal no Brasil. O show acontece no dia 30 de junho, às 21h30, na Comedoria da unidade. O Kernunna surgiu da união de membros da Tuatha de Danann e da belo-horizontina Cartoon. A banda lançou o álbum "The Seim Anew", em 2013, se apresentando no Rock in Rio daquele ano. O álbum foi parcialmente inspirado na obra do autor irlandês James Joyce, cujas canções dialogam com a música celta, o heavy metal, o rock progressivo e a música indiana, explorando as sonoridades da gaita de fole, da cítara e de outros instrumentos. O romance "Finnegans Wake", de Joyce, aparece como referência nas canções “The Seim Anew”, “The Keys to. Given!” e “Ricorso”. Já a faixa Snark” é uma alusão a Lewis Carroll (criador de Alice no País das Maravilhas), enquanto duas das peças referendam figuras do folclore brasileiro: o curupira, entidade defensora das matas e dos animais, em “Curupira’s Maze”, e o Sete Orelhas, o vingador mineiro, em “The Last of the Seven Ears”. Completam o disco as músicas “Kernunna”, “Dreamer” e “Póg Mo Thóin”. O álbum The Seim Anew? foi produzido por Bruno Maia e coproduzido por Marco Diniz.  Folk prog metal talvez seja a definição mais próxima para seu curioso e melódico som. “É uma nova forma de expressão musical que é calcada no que eu fazia antes, porém com a experiência adquirida, com o teor da novidade e com a vontade do eterno criar; é a evolução própria de um registro particular que ganha forma na força do grupo”, comenta Bruno. O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - Belenzinho – São Paulo (SP).

27 de junho de 2017

Iluminar - oficina cênica


Foto: Bob Sousa

Até o dia 15 de julho, estão abertas as inscrições gratuitas para "Iluminar - oficina criativa de cenografia, figurino e iluminação cênica com o diretor Kleber Montanheiro". Esta atividade é promovida pelo Teatro do Incêndio, cuja primeira edição aconteceu no primeiro semestre deste ano. Os interessados devem enviar breve currículo, carta de interesse e contatos para o e-mail produção.teatrodoincendio@hotmail.comA oficina será realizada no período de 1º de agosto a 28 de novembro, sempre às terças-feiras, às 19h30, na sede do teatro. Os selecionados participam de aulas teóricas e práticas, além de uma vivência mensal no processo de criação do primeiro espetáculo do projeto "A Gente Submersa" da Companhia Teatro do Incêndio, que tem estreia prevista para o dia 2 de setembro. A oficina oferece aos alunos a oportunidade de conhecer fundamentos de criação das três áreas abordadas, exercitando-se e debatendo conceitos ao longo dos encontros. O Teatro do Incêndio fica na Rua Treze de Maio, 48 – Bela Vista. SP/SP.

26 de junho de 2017

As pilhas fracas do tempo


O título "As pilhas fracas do tempo" instiga a curiosidade do leitor. O texto nos conquista pelo sabor literário. Tudo no lugar certo e com muita criatividade. Não só a história convence, mas as entrelinhas acariciam o ledor ávido por literatura boa, e, o autor, Leo Cunha, sabe exatamente como atingir sua audiência. Na trama, Luca, aprendiz de poeta, apaixona-se por Helena, que conhece em um ônibus a caminho do shopping. Encorajado pelo avô, aproxima-se dela, e começa a tomar o mesmo ônibus todos os dias só para vê-la. Porém, há Marcello, seu amigo, uma ameaça ao desenrolar do romance; há também a indefinição de Helena, e daí a vontade de queimar todos os poemas já escritos. Um livro que vale à pena ser lido!

23 de junho de 2017

Braguinha – sons, canções e histórias

Foto: Barbara Campos

Estreia no dia 25 de junho o musical infantil "Braguinha - sons, canções e histórias" no Sesc Ipiranga. Braguinha é um dos compositores mais importantes da música brasileira. Conhecemos a maior parte de sua obra através de sambas e marchinhas populares, como Chiquita Bacana, Touradas em Madri, Balancê, As Pastorinhas, mas poucos sabem que ele também tem uma vasta obra dedicada às crianças. Tendo como base a obra de Braguinha, a dramaturgia do musical foi elaborada a partir de suas músicas e suas histórias, presentes na coleção Disquinho.  Na trama, duas crianças, perdidas na floresta, pedem abrigo numa casa de barro. O dono, Seu Braga, os acolhe e lhes apresenta suas músicas e histórias, além de objetos antigos, já “obsoletos”, como a vitrola, que, quando acionada, transporta todos magicamente para viverem outros personagens em aventuras como “A cigarra e a formiga” e “Festa no céu”. O espetáculo acontece aos domingos, às 11h. O Sesc Ipiranga fica na Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga.


22 de junho de 2017

Carmen

Foto: Ronaldo Gutierrez

A peça "Carmen"foi idealizada por Natalia Gonsales e Flávio Tolezani, juntos decidiram montar esse clássico que relata a história de uma das personagens mais conhecidas mundialmente. “Este projeto tem como objetivo a montagem do espetáculo, o resgate dos principais personagens criados por Mérimée para que o público volte a se intrigar e querer decifrá-los. E assim, basear-se na literatura de Prosper Mérimé e também permitirá que a construção cênica explore a cultura cigana numa linguagem contemporânea.”, conta Natalia Gonsales. O público conhecerá o mundo fascinante e perigoso da boêmia que se opõe às normas burguesas, já que a sua figura foi deformada da original, principalmente na ópera e no ballet, tornando-a assim familiar, o que não deixa de ser uma situação insólita para quem, como ela, sempre se recusou terminantemente a constituir um laço familiar. Uma mulher que não teme a morte, fascinada pelo risco e capaz de prever o seu trágico destino. Na história, Carmen e José vivem uma trágica paixão. Na trama, ele narra o seu amor por Carmen e o motivo que o levou a prisão. Já ela, através da obliquidade dos olhos, narra o seu ponto de vista em relação à história. O espetáculo acontece no Teatro Aliança Francesa a partir do dia 30 de junho, às sextas e sábados às 20h30 e domingo às 19h. O teatro fica na Rua Gen. Jardim, 182 - Vila Buarque, São Paulo - SP.

21 de junho de 2017

O Compositor Delirante

Foto: Michael Pablo Bursztein

Inspirado na vida e obra do compositor austríaco Ludwig van Beethoven, "O Compositor Delirante", solo escrito e interpretado por Daniel Kronenberg, estreia no dia 29 de junho no InBox Cultural, às 21 horas. Com provocação cênica de Gabriel Bodstein, o monólogo coloca em foco o artista com seus questionamentos. Numa tentativa enlouquecida de organizar sua trajetória, a personagem Beethoven trava discussões políticas, filosóficas e de ordem artística com Mozart, Haydn, Goethe e com o próprio pai, além de outras pessoas imaginárias. A surdez, a loucura e a necessidade de quebra de paradigmas são as tônicas do espetáculo, costurado pela música do compositor, que permeia toda a encenação, dando cadência e ritmo às argumentações da personagem. Em meio à solidão e ao escasso traquejo social, a surdez da personagem impede seu contato com o mundo exterior, mas não impede o chamado para exteriorizar a si mesmo: um telefone não para de tocar e o convoca a conversar com outros compositores clássicos e até mesmo com suas amantes. Com seu pai, ele questiona o excesso de rigor de sua criação; com Haydn, indaga sobre uma nova possibilidade de se viver a arte; com Goethe, critica a apatia e a falta de espírito criador, com Mozart, confessa sua inaptidão como compositor; e com suas amantes - Josefina, Julieta e Antonia -, adota seu lado mais romântico, no sentido mais óbvio da expressão. O telefone é um elemento cênico importante que caracteriza a subjetividade da loucura, enclausurada pela surdez. O InBox Cultural fica na Rua Teodoro Sampaio, 2355. Pinheiros/SP.

20 de junho de 2017

Pescadora de Ilusão

Fotos: Deborah Schcolnic

O espetáculo "Pescadora de Ilusão" conta a história de uma mãe que pede perdão aos filhos por ter esquecido de dar comida aos seus peixinhos vermelhos, o que fez com que eles morressem. Para justificar seu pedido de desculpas, Clarice garante que ama os animais e conta histórias divertidas sobre os bichos de estimação que passaram por sua vida, como o cachorro Dilermando e a macaquinha Lisete. No enredo da peça as atrizes Carol Badra e Mel Lisboa vivem as personagens EU e TU, duas atrizes, que pedem para as crianças perdoarem a Clarice Lispector por ter matado os peixes, assim como ela faz no livro. A adaptação do texto e direção geral do espetáculo são de GpeteanH, tendo como seu assistente Arnaldo D'Ávila. Em um clima de mistério, diversão e interatividade com a plateia, as atrizes explicam a importância do perdão e a relação com as perdas, separações e até mesmo a morte, fazendo uma analogia, entre as diversas histórias que intercalam a trama, com a morte dos tais peixinhos vermelhos. O espetáculo inicia-se a partir do dia 24 de junho, aos sábados e domingos às 16h, no Teatro Sérgio Cardoso que fica na Rua Rui Barbosa, 153. Bela Vista.

19 de junho de 2017

Carta ao Pai

Foto: Júnior Cecon

O espetáculo "Carta ao Pai" estreado em 2006 pela Cia. Carne Agonizante tem como referência a obra homônima de Franz Kafka, escrita em 1919. A nova temporada é de 23 de junho a 16 de julhode 2017 no Kasulo Espaço de Cultura e Arte. Concepção, direção e dramaturgia de Sandro Borelli. Na carta, que nunca foi enviada ao destinatário original, Kafka expõe toda a sua mágoa em relação ao pai autoritário, que ele chama de "tirano". “O espetáculo é a tentativa de dissecar o conteúdo emocional e/ou espiritual de uma ação, de um gesto, de um olhar, de uma situação ou de uma atitude que seja índice de mistérios do drama humano. É espelho vivo, é o ato doloroso de se ver e não se reconhecer. É drama na estrutura da Dança”, conta Sandro. A direção artística propõe uma estética que instiga um aprofundamento da criação em questões que se reportam à alma humana. Numa ação dramática que incide sobre o desenho coreográfico, cria um jogo cênico meticuloso e provocador. O espetáculo acontece todas as sextas e sábados às 21h e aos domingos às 19h no Kasulo Espaço de Cultura e Arte que fica na Rua Sousa Lima, 300 - Barra Funda. Os ingressos são um quilo de alimento não perecível.

16 de junho de 2017

História & Estórias


Acontece no dia 19 de junho, às 18h30, o lançamento do longa-metragem "História & Estórias", no Cine Olido, em São Paulo, com entrada franca. O filme tem roteiro e direção de Vicentini Gomez. O olhar experiente do diretor retrata a história da cidade, desde a origem de seu povoamento com a chegada do Cel. Goulart (Antonio Petrin) e seus agregados para a construção do primeiro rancho. E também a forte presença do Cel. Marcondes (Carlo Briani), cuja rivalidade com o Cel. Goulart ajudou a impulsionar o desenvolvimento do povoado. A mescla de registros oficiais com as encenações - baseadas em fatos reais e nas lendas (ainda vivas na memória da população) - favorece a compreensão do processo histórico do desbravamento do Oeste Paulista e a história social e política do Brasil em relação à história local, a partir de um modesto povoado, fundado em torno de uma estação ferroviária, que atingiu o status atual de capital da 10ª região administrativa do Estado de São Paulo. O roteiro de "História & Estórias" traz uma riqueza de imagens e informações que facilitam a compreensão do processo que resultou na cidade centenária. A linguagem contemporânea, a exploração de recursos de 3D e a computação gráfica garantem dinamismo e fluidez, bem como a participação dos atores renomados interpretando os principais personagens dessa história. As locações foram nas cidades Porto Feliz, Cabreúva, Itu e Presidente Prudente que emprestaram belas paisagens para cenários remotos e momentos significativos da trajetória dos desbravadores e das pessoas que construíram Presidente Prudente. O Cine Olido (Galeria Olido) fica na Avenida São João, 473 - São Paulo/SP. 


15 de junho de 2017

Joias Brasileiras em Cordas


No dia 17 de junho, às 20h, acontece o concerto "Joias Brasileiras em Cordas" com a Orquestra de Cordas Laetare no Centro Britânico Brasileiro. A regência é de Muriel Waldman com a participação de Celina Charlier na flauta transversal. No repertório obras de Antonio Ribeiro, Chiquinha Gonzaga, Claudio Santoro, Francisco Mignone, Glauco Velasquez, Henrique Osvald, Osvaldo Lacerda e Silvia de Lucca. Apoio Cultural da Cultura Inglesa de São Paulo. A Orquestra de Cordas Laetare, onde o nome significa “alegrar” e também “se alegrar”, é constituída por 27 músicos (violinistas, violistas, violoncelistas e contrabaixistas). Já se apresentou em teatros, como o Grande Otelo e o SESI/Paulista, Igrejas, como a Capela do Beato Anchieta no Pateo do Collegio, a Catedral Evangélica, Igreja do Sagrado Coração de Jesus, e nas cidades de Franca, São José dos Campos, Campinas, Piracicaba e Caraguatatuba. A Sala Cultura Inglesa do Centro Brasileiro Britânico fica na Rua Ferreira de Araújo, 741 - Pinheiros - São Paulo. O Show é gratuito!

14 de junho de 2017

Ato Falho

Foto: Leekyung Kim

O drama "Ato Falho" estreia dia 17 de junho no espaço Cia do Pássaro. Um espetáculo árido onde também é possível encontrar o riso. Na sinopse: um ato fortuito no cotidiano de uma mulher cansada desencadeia uma série de situações onde a fragilidade humana é revelada sem cuidado. Fatos aparentemente pequenos e irrelevantes assumem grandes proporções quando as personagens se encontram a ponto de explodir. Um copo que cai, um mascar de chicletes excessivamente barulhento, um atendimento de telemarketing que não se conclui, uma foto que não fica boa. Tudo, qualquer coisa, pode ser o estopim para uma revelação que estávamos tentando esconder na ansiedade de viver e cumprir um cotidiano aprisionador. "Estávamos cansadas de ter textos e projetos presos na gaveta pela impossibilidade de recursos que os viabilizassem. Acreditamos que a força do teatro está no texto e no ator. Já tínhamos esse material, então resolvemos investir nisso e criar uma montagem com o mínimo de recursos possível, focada na palavra e no jogo cênico”, completa Tati Lenna. Bruna Anauate e Tati Lenna se conheceram em 2008 no CPT – Centro de Pesquisa Teatral de Antunes Filho, e desde então seguiram em contato. Bruna Anauate já havia se envolvido na área de produção em 2013 quando atuou como atriz e produtora em "Tem alguém que nos odeia", texto de Michelle Ferreira. Tati Lenna investiu mais na área da dramaturgia ao integrar o Núcleo de Dramaturgia do Sesi através do qual publicou em 2016 seu primeiro texto teatral "Circo Chernobyl - Um ensaio sobre a peça". Os personagens do drama não são caracterizados permitindo que as sensações, emoções e atitudes por eles expressadas possam ser atribuídas a toda e qualquer pessoa independente de classe social, cor, credo, orientação sexual ou gênero. A Cia do Pássaro  fica na Rua Álvaro de Carvalho, 177 - Centro - São Paulo, e, o espetáculo inicia-se às 21h.