24 de dezembro de 2014

23 de dezembro de 2014

Revolutionary Road

Para fechar o ano com chave de ouro, recomendamos assistir o drama Revolutionary Road ou Foi apenas um sonho (2008). Além da excelente atuação de Kate Winslet numa personagem pra lá de interessante, contamos com um dilema bem elaborado na história para a época em questão. Além disso, excelentes cenas com propósitos claros e evidentemente dramático num belo roteiro condecoram a obra prima. Na narrativa, que acontece nos anos 50, Frank (Leonardo DiCaprio) e April (Kate Winslet) formam um casal feliz. Eles sempre se consideraram especiais e prontos para levar uma vida seguindo ideais. Ao se mudarem para uma casa na Revolutionary Road eles ficam orgulhosos por declarar independência da inércia suburbana que os rodeava. Porém logo eles percebem que estão se tornando justamente aquilo que não queriam ser. Frank está em um trabalho insignificante e tem medo de tudo, enquanto que April é uma dona de casa infeliz. Decidida a mudar a situação, April propõe que comecem tudo de novo, deixando de lado o conforto da atual casa e recomeçando em Paris. Só que, para executar este plano, eles chegam aos seus extremos. Como curiosidade, os direitos de adaptação do livro de Richard Yates para o cinema foram adquiridos em 1967.



Prêmios

Globo de Ouro - Melhor Atriz para Kate Winslet.

22 de dezembro de 2014

Delivery Man

A película Delivery Man ou De repente pai (2013) é engraçado e emocionante na medida certa. Com uma boa história e originalidade, o roteiro é bem estruturado. Na trama, um homem de meia idade (Vince Vaughn) descobre ter sido pai de 533 crianças, através da doação de esperma. Ele passa a enfrentar problemas quando algumas dezenas destas crianças, já crescidas, passam a sentir a enorme necessidade de conhecer o pai biológico.

19 de dezembro de 2014

Eye of the Storm

Visualmente impecável, o clip Eye of the Storm, de Lovett é a perfeita junção entre boa música e animação. Traz paz interior ao mesmo tempo que uma inexplicável introspecção visual. Deleite-se!


18 de dezembro de 2014

Frozen

A deliciosa animação Frozen ou Frozen: uma aventura congelante (2013) é bastante lúdica e tem uma história convincente. Na narrativa, A caçula Anna (Kristen Bell/Gabi Porto) adora sua irmã Elsa (Idina Menzel/Taryn Szpilman), mas um acidente envolvendo os poderes especiais da mais velha, durante a infância, fez com que os pais as mantivessem afastadas. Após a morte deles, as duas cresceram isoladas no castelo da família, até o dia em que Elsa deveria assumir o reinado de Arendell. Com o reencontro das duas, um novo acidente acontece e ela decide partir para sempre e se isolar do mundo, deixando todos para trás e provocando o congelamento do reino. É quando Anna decide se aventurar pelas montanhas de gelo para encontrar a irmã e acabar com o frio. Enfim, Frozen é encantador! Como curiosidade, inicialmente a rainha Elsa seria a grande vilã da animação, mas os produtores resolveram modificar a personagem após ouvirem a canção "Let It Go". Para eles a canção, além de ser muito atraente, ressaltava questões positivas. Problema foi resolvido: o roteiro foi reescrito para que Elsa se tornasse uma jovem inocente que está em pânico por não conseguir controlar seus poderes.

17 de dezembro de 2014

Man On A Ledge

O suspense policial Man On A Ledge ou À beira do abismo (2012) tem uma excelente ideia original, sua história prende a audiência do inicio ao final com bons conflitos e dilemas. A trama é bem estruturada e a direção é muito honesta. Na narrativa, Nick Cassidy (Sam Worthington) é um ex-policial procurado pela justiça que decide se matar pulando do alto de um prédio de Nova York. A polícia da cidade se mobiliza e convoca a psicóloga Lydia Mercer (Elizabeth Banks) para impedir que o sujeito se suicide. A medida que conversa com Nick vai avançando, percebe-se que a situação não passa de um jogo de cena para acobertar um plano de vingança contra David Englander (Ed Harris), o homem que acabou com a vida do ex-policial. Confira o trailer!

16 de dezembro de 2014

Ruth e Eve

Arte tem que ser incentivada, motivada e colaborada desde criança. Basta termos bons exemplos em casa. Veja esse vídeo: a mãe, Ruth Oosterman, cria desenhos a partir dos rabiscos da filha de 2 anos, Eve. 




O projeto de colaboração entre mãe e filha é primoroso e o processo de criação varia. Outras ilustrações podem ser vistas no blog The Mischievous Mommy. Cópias dos desenhos também podem ser compradas no Etsy.

E você, o que você produz ou já produziu de cultura com seu filho/a? Conte-nos!

12 de dezembro de 2014

Flores Raras

O brasileiríssimo Flores Raras (2013) tem cenas lindas, belíssimos diálogos e uma direção sensível. O roteiro é bem estruturado com pontos de viradas claros e tocantes. Sem contar as excelentes atuações de Glória Pires e Miranda Otto. Na história: 1951, Nova York. Elizabeth Bishop (Miranda Otto) é uma poetisa insegura e tímida, que apenas se sente à vontade ao narrar seus versos para o amigo Robert Lowell (Treat Williams). Em busca de algo que a motive, ela resolve partir para o Rio de Janeiro e passar uns dias na casa de uma colega de faculdade, Mary (Tracy Middendorf), que vive com a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares (Glória Pires). A princípio Elizabeth e Lota não se dão bem, mas logo se apaixonam uma pela outra. É o início de um romance acompanhado bem de perto por Mary, já que ela aceita a proposta de Lota para que adotem uma filha. Como curiosidade: durante muitos anos a produtora Lucy Barreto procurou um diretor para a película. Ofereceu inicialmente ao filho, Bruno Barreto e depois a Hector Babenco. Ambos não tiveram interesse na história. Em 2008, após sua ex-mulher Amy Irving atuar na peça teatral "Um Porto Seguro", de Elizabeth Bishop, foi que Bruno Barreto acreditou que poderia enfim realizar o filme. A obra foi selecionada para ser o filme de abertura do Festival de Gramado 2013. Certamente um dos belos filmes brasileiros para ver e rever!

11 de dezembro de 2014

Ostra feliz não faz pérola


O livro Ostra feliz não faz pérola de Rubem Alves é uma delicia de se ler. A concepção da ideia é simples: as ostras para produzirem pérolas precisa ter dentro de si um grão de areia que a faça sofrer. Ou seja, é através do sofrimento que se cria a beleza. E daí o título. Com pequenos pensamentos que segue desde assuntos como crianças ou amor até religião e morte. Segundo o autor, o livro "está cheio de areias pontudas que me machucaram. Para me livrar da dor, escrevi". Um bom passatempo, acreditem!

10 de dezembro de 2014

Noel

A comédia dramática Noel ou Anjo de Vidro (2004) tem um excelente elenco, uma história sensível com encontros orgânicos e diálogos bem estruturados. Na narrativa, no Natal em Nova Iorque as ruas estão cobertas de neve, músicas natalinas estão por toda parte e as pessoas andam apressadas em direção às lojas, para comprar os presentes de última hora. Porém um grupo de pessoas está completamente à parte deste clima. Alguns deles são Rose (Susan Sarandon), uma mulher emocionalmente frágil cuja mãe está no hospital, e Mike (Paul Walker), um policial que briga com um homem mais velho (Alan Arkin). Contudo alguns encontros na véspera de Natal fazem com que eles repensem a vida. Assista o trailer!

8 de dezembro de 2014

Cavemen

Obvio, mas é pela evidencia do que acontecerá que curta-metragem em animação Cavemen torna-se engraçado. Na trama, mesmo as tecnologias passadas precisariam de orientações para serem usadas e abusadas corretamente. Simples e cativante. Confira!


5 de dezembro de 2014

Donkey

Muito bem dirigido o curta-metragem Donkey, bem como tem uma fotografia que necessita nossa exímia atenção. Também não podemos deixar de exaltar a atuação do protagonista. A história em si é muito passiva com a essência do voiceover, mas funciona.

4 de dezembro de 2014

Mawa e Kawa

A série de animação russa Mawa e Kawa é uma doçura. Com histórias simples, personagens cativantes e humor a cada segundo, ela cativa de crianças à idosos sem preconceito algum. Vale muito à pena assistir e, mais do que isso, se tornar fã. Confira esse episódio!

2 de dezembro de 2014

O Menino da Internet: a História de Aaron Swartz

O documentário O Menino da Internet: a História de Aaron Swartz deve ser assistido por todos. O JSTOR, que oferece artigos acadêmicos mediante assinatura, processou o jovem e talentoso Swartz em 2011 por usar um script na rede da universidade MIT que baixou 5 milhões de artigos. O JSTOR logo desistiu do processo dizendo "não vou fazer parte disso", mas a Procuradoria dos EUA – que representa o governo – trouxe o caso de volta, e queria colocar o jovem na prisão. E então chegamos à batalha judicial de dois anos que levou Aaron a cometer suicídio. Um garoto de 26 anos que nunca quis excluir as pessoas de qualquer maneira, ao contrário, queria disponibilizar conhecimento à todos, versus um Governo que o queria para "exemplo". Isso não é democracia, é postura política. Diga-se má postura politica. Aqui, o documentário na íntegra. Assista, vale muito à pena: emociona, faz você querer ir ao protesto, mas principalmente, nos faz pensar em questões do nosso mundo atual.

Quase um século


Ao completar 90 anos, o cineasta Rodolfo Nanni lançará o livro Quase um século – Imagens da memória, de sua autoria. Na autobiografia ilustrada o diretor do clássico “O Saci” (1953-54), vale-se de sua extraordinária memória para valorizar fatos vividos junto às mais importantes figuras dos últimos oitenta anos da cultura brasileira. Algo único vindo de uma lenda viva da nossa cinematografia. O livro é ilustrado com imagens em grande parte inéditas e tem 68 breves capítulos em torno de artes plásticas, cinema e literatura brasileiras. O livro também conta com textos críticos da historiadora de arte Maria Alice Milliet, do cineasta Nelson Pereira dos Santos, do curador Antônio Carlos Suster Abdalla e da jornalista e escritora Neusa Barbosa. O lançamento será no MIS, dia 8 de dezembro a partir das 18h. Não percam!

1 de dezembro de 2014

Sam

A animação Sam retrada um amor platônico de forma cientifica. O tímido Sam está apaixonado por sua colega de trabalho e uma situação pra lá de peculiar faz com que ele restaure o tempo perdido desse sentimento. A história é bem estruturada, mas não convence.