19 de outubro de 2018

Por Trás da Cor dos Olhos - Na Imanência do Movente

Foto: Divulgação

Nos dias 20 e 21 de outubro, sábado (às 19h30) e domingo (às 17h30), o Sesc Belenzinho recebe o espetáculo Por Trás da Cor dos Olhos - Na Imanência do Movente, da Pulsar Cia. de Dança, grupo do Rio de Janeiro, integrando o projeto Poéticas do Acesso.

Em cena, oito bailarinos, entre os quais um é cadeirante, apresentam um trabalho que inclui movimentos aéreos e possibilita ao público e aos próprios intérpretes vivenciar a relação com o peso e a suspensão.

Concebido por Maria Teresa Taquechel, Por Trás da Cor dos Olhos traz os intérpretes em resoluções próprias de movimento. São corpos impares, no chão. Eles se deslocam por meio de apoios, pressões e sobreposições, acionando diversos caminhos dentro da estrutura corporal, criando possibilidades de jogos, desenhos, encontros e desencontros. Reações, inibições e afecções são geradas no movente ações na busca pela imanência.

Inusitados caminhos dentro da estrutura corporal são acionados, gerando movimentos, desenhos, relações e estados perceptivos no meio em que estão inseridos. Assim, revela-se a imanência do movente na composição entre movimento, música, luz, figurino e cenografia.

O cenário composto por véus suspensos, segundo a diretora, produz o efeito revelação na sensação do peso dos corpos e das partes. “Os bailarinos estão o tempo todo em cena de forma integrada. É um grande jogo de composição. Cada um trabalha dentro das suas possibilidades”, comenta Maria Teresa.

Por Trás da Cor dos Olhos é uma releitura do primeiro espetáculo da Pulsar, realizado há mais de 12 anos. Na ocasião, já havia o trabalho aéreo, mas os cadeirantes ainda não faziam parte do espetáculo. “Temos uma parceria com a Intrépida Trupe, que faz uma coordenação técnica para ajudar a gente a lidar com essa estrutura”, diz Teresa.

Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - SP.

18 de outubro de 2018

Vagner Ferreira e o Trio Tokeshi Rosas Bazarian

Foto: Divulgação

No dia 20 de outubro, às 20h, o CMB apresenta Vagner Ferreira ao piano e o Trio Tokeshi Rosas Bazarian de violino, clarinete e piano. O evento é gratuito!

Vagner Ferreira obteve diversos primeiros lugares em vários Concursos de Piano no Brasil. No exterior, foi vencedor do Prêmio Solista de Orquestra promovido pela Universidade Estadual da Pennsylvania, tendo participado como solista da temporada 2006 da Penn State Symphony Orchestra nos Estados Unidos, e também vencedor do primeiro prêmio no 2006 PSU Graduate Exhibition pela execução da Sonata nº 1 de Alberto Ginastera. No repertório do recital do CMB interpretará Camargo Guarnieri, Osvaldo Lacerda e Villa-Lobos.

O Trio Tokeshi Rosas Bazarian é formado por Eliane Tokeshi ao violino, Giuliano Rosas no clarinete e Lidia Bazarian ao piano. Em sua trajetória como instrumentistas e como grupo, o trio sempre inclui obras do repertório tradicional e contemporâneo. Tem estreado obras inéditas e com o intuito de ampliar o repertório para esta formação, solicitando encomendas a compositores atuantes. No repertório, os músicos interpretarão Claudio Santoro, Osvaldo Lacerda e Ronaldo Miranda.

A apresentação acontecerá na Sala Cultura Inglesa do Centro Brasileiro Britânico que fica na Rua Ferreira de Araújo, 741 - São Paulo.

17 de outubro de 2018

Na Cama

Foto: Kelson Spalato
O premiado filme chileno “En La Cama” (2005), com roteiro de Julio Rojas, ganha sua primeira adaptação brasileira para o teatro em "Na Cama", com direção de Renato Andrade, que estreia no dia 18 de outubro no Teatro Viradalata. A peça segue em cartaz até 29 de novembro, com sessões às quintas-feiras, às 21h.
A comédia romântica narra o primeiro e último encontro entre Bruno (Pedro Bosnich) e Daniela (Cristiane Wersom), que se conheceram em uma festa horas antes. Entre os lençóis, eles compartilham algumas de suas verdades e fantasias. Sem expectativas ou compromisso, o casal se revela aos poucos.
Com direção de Matias Bize, o filme foi premiado nos festivais de Valladolid, na Espanha, de Havana, em Cuba, e de Viña Del Mar, no Chile; foi indicado ao Prêmio Goya 2007; e fez parte da seleção oficinal dos festivais de Locarno, na Suíça, e Los Angeles, nos Estados Unidos.
O Teatro Viradalata fica na Rua Apinajés, 1387 - SP.

16 de outubro de 2018

Meia-Meia

Foto: Zeca Caldeira

A busca pelo poder e o lado mais mesquinho e sórdido do ser humano são motes de "Meia-Meia", texto livremente inspirado no romance O anão (1944), do sueco Pär Lagerkvist (vencedor Prêmio Nobel de Literatura em 1951). Com direção de Juliana Jardim e Georgette Fadel, o espetáculo estreia no dia 19 de outubro no Sesc Pompeia, e segue em cartaz até 11 de novembro.
Este é o primeiro monólogo de Luís Mármora, que também foi idealizador da montagem. “O espetáculo nasceu de um convite meu para o Vadim Nikitin. Eu queria fazer um monólogo que tivesse a política como temática central. Não queria um personagem que fosse a representação do poder, mas que desfrutasse dele, bebesse dos privilégios. E o Vadim lembrou dessa obra que é praticamente desconhecida no Brasil, teve uma única edição em 1970. Embora tenha sido escrito em plena 2ª Guerra Mundial, em alguns trechos do romance dá quase para dizer que é uma ficção para a teoria de Maquiavel, sobre como ele descreve as possíveis tomadas de poder”, comenta o ator.
A história do anão Meia-Meia conta, com humor mordaz, detalhes do que acontece nos subterrâneos do Palatz, seu amor pela guerra e como, atrelado completamente a seu Printz, conduz à desolação a família real, seus aliados e toda a gentalha do reino. Meia-Meia é um pequeno terrorista.
O Sesc Pompeia fica na Rua Clélia, 93 - SP.

15 de outubro de 2018

Itinerário do Pasárgada

Foto: Divulgação

Em comemoração a seus 47 anos de história, o grupo Pasárgada apresenta a mostra de repertório Itinerário do Pasárgada. Os espetáculos tem entrada grátisPanos e Lendas, nos dias 27 e 28 de outubro, às 16h; e Labirinto de Filó, entre 03 e 18 de novembro, aos sábados e domingos, às 16h. Ambos espetáculos no Teatro João Caetano.
Comemorando 40 anos de sucesso, Panos e Lendas, de José Geraldo Rocha e Wladimir Capella, fala sobre a criação do mundo a partir do olhar de dois índios, que usam suas raízes e seus costumes para tratar do ciclo da vida, com ternura e simplicidade. O espetáculo homenageia a cultura popular com lendas brasileiras, parlendas e cantigas de roda e de ninar tocadas ao vivo.
Labirinto de Filó, de José Geraldo Rocha, narra a história da curiosa e perguntadeira Minhoca Filó, que tem um monte de ideias e dúvidas na cabeça. Ela, a Menina da Rua de Cima e o Menino da Rua de Baixo se perdem em um labirinto de buracos e túneis. A filosofia e a música para crianças, tocada e cantada ao vivo, norteiam o espetáculo. A narrativa busca elementos das lendas gregas, nos fios de Ariadne e no enigma da Esfinge, para construir a jornada das personagens. A curiosidade da personagem Minhoca Filó é respondida ao longo da história, não de maneira precisa e científica, mas divertida e poética, mantendo acesa a imaginação e provocando o desenvolvimento criativo.
O Teatro João Caetano fica na Rua Borges Lagoa, 650 - SP.

12 de outubro de 2018

Beba Zanettini & Eva Jagun

Foto: Uwe Hauth

O pianista, compositor e arranjador paulista Beba Zanettini apresenta-se no Teatro do Sesc Belenzinho com participação da convidada Eva Jagun, cantora e compositora de alemã. No formato sexteto, o show, que integra o projeto Jazz Clube da unidade, acontece no dia 14 de outubro, domingo, às 18 horas.

No roteiro da apresentação estão composições do disco Canto da Areia, lançado por Zanettini em 2017, além de músicas da convidada Eva Jagun, considerada embaixadora da música brasileira em Berlim. O sexteto de Beba Zanettini (piano e teclado) traz músicos do calibre de Marcos Klis (contrabaixo), Paulo Oliveira (sax e flauta), Felipe Ávila (guitarra), Gudino Miranda (bateria) e Keila Abeid (voz).

O show Canto da Areia sintetiza a trajetória musical de Beba, sempre norteada pela canção e pela música instrumental brasileira. Baseado em seu CD de mesmo nome, o show reverbera também em trabalhos instrumentais desenvolvidos com os grupos Café Jam e Aquilo Del Nisso e no seu lado compositor de canções que resultou no primeiro CD solo, Beba Música! (2009).  O público vai apreciar um espetáculo que mescla ritmos como o samba, o choro, o jazz, a bossa-nova e a world music.

O Sesc Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1000 - SP.

11 de outubro de 2018

As Irmãs Siamesas

Foto: Heloisa Bortz

O espetáculo teatral As irmãs siamesas” é imperdível e, sim, existem vários elementos que corroboram para isso. Do texto à iluminação há uma impecabilidade e profissionalismo singular. O texto é humano e trabalha em suas entrelinhas com o melhor que há no comportamento de um indivíduo. Duas irmãs que a partir de suas diferenças, anseios e expectativas de vida falam do passado, presente e futuro enquanto remexem no baú da mãe, recém falecida. O autor, José Rubens Siqueira, atravessa os conflitos com diálogos inteligentes e que prendem a atenção da audiência. No texto, existem outros personagens (o laço vermelho, sapato, relógio etc.) que acresce e diversifica à trama, ora dando suavidade à divergência de pensamentos das personagens, ora apimentando ainda mais a relação com viés forte de quem sabe o que quer falar. Há um realismo poético. A direção é extremamente sensível e dá a mesma atenção tanto aos detalhes quanto ao todo. Convence! As interpretações são célebres. Há de se atentar aos detalhes do sotaque, do andar, do falar, do abraçar e do distanciar. Aqui, eu preciso fazer um destaque para Cinthya Hussey que se entregou ao papel de maneira tão magistral quanto elogiável. Na estreia, as atrizes foram ovacionadas por puro merecimento. O trabalho da iluminação é sutil, mas também não posso deixar de comentar, já que pela tenuidade composta teve também sua participação eficaz, uma vez que nos proporcionou enxergar, de fato, as siamesas. Se ficar em São Paulo neste feriado, mais que recomendo uma passada no Teatro Aliança Francesa para se deleitar com a peça. O espetáculo fica até o dia 2 de dezembro, todas as sextas e sábados (às 20h30) e domingos (às 19h) no Teatro Aliança Francesa que fica na Rua Gen. Jardim, 182 - Vila Buarque. São Paulo - SP. Mais que recomendo!